Do fundo do mar clamamos

Devocionais
Tipografia

Então, Jonas, do ventre do peixe, orou  ao SENHOR, seu Deus, e disse: Na minha angústia, clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do abismo, gritei,e tu me ouviste a voz.  (Jonas 2.1–2).

A desobediência levou o profeta Jonas ao fundo do poço, ou, conforme o relato de seu livro, ao fundo do mar. Ali, solitário, sem perspectiva, na barriga do grande peixe, Jonas reconhece sua origem e de onde veio e ora ao Senhor: “Quando, dentro de mim, desfalecia a minha alma, eu me lembrei do Senhor; e subiu a ti a minha oração, no teu santo templo.”

Quando desobedecemos a Deus, a tendência é sentirmos o peso do erro e nos afundarmos nele. Esquecemos da misericórdia de Deus que sempre se renova e que não nos deixa fincar pé no fundo do mar. Ele nos perdoa, e seu perdão nos devolve a esperança e a vida. Não estamos eternamente condenados, mas sim, eternamente salvos e, por mais que nossos erros e desobediência tentem nos puxar para o fundo do mar, ele nos resgata com o seu perdão, ele não lança fora o coração resoluto a converter-se de seus maus caminhos.

Ao orarmos, tenhamos a certeza de que Deus nos ouve, por mais afundados em nossos erros que nós estejamos. Ele está pronto a nos ouvir. “Ao Senhor pertence a salvação”, clamemos pela sua presença salvadora, que nos dá a vida e nos permite reconstruir nossos relacionamentos e cumprir nossa missão.

Oração: Deus, a ti pertence a salvação, quero viver esta verdade todos os dias da minha vida. Em nome de Jesus, amém.

Reverendo Giovanni Campagnuci Alecrim de Araújo
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente de Araraquara, SP
Secretário de Música e Liturgia da IPIB